Blogue da turma B, do quarto ano, da Escola Básica de Santa Luzia, em Guimarães
Sexta-feira, 29 de Janeiro de 2010

Hoje foi dia de experiência na Sala dos Moranguitos.

Aproveitámos o facto de termos estado a trabalhar com vinagre na semana passada, para mostrar mais uma das suas características.

Pegámos em moedas antigas, bem sujinhas.

 

 

Colocámos as moedas em três copos.

 

 

No primeiro copo as moedas ficaram apenas assim.

No segundo, foram submersas em água.

 

 

No terceiro copo, foi colocado vinagre.

 

 

Os copos ficaram então em repouso durante umas horas. Enquanto isso, fizeram-se previsões sobre o que aconteceria às moedas.

No copo sem líquidos, previu-se que nada aconteceria. No copo com água, os Moranguitos disseram que as moedas ficariam limpas e no de vinagre que as moedas partiriam (associaram ao resultado da última experiência).

Os resultados foram estes.

 

 

No copo sem líquido de facto nada aconteceu às moedas.

No copo com água, a mesma coisa. No copo com vinagre vimos que as moedas ficaram bastante mais limpas.

 Conclusão 

O vinagre contém um ácido que vai reagir com a cobertura da moeda. Esta cobertura vai desfazer-se e a moeda fica limpa porque aparece o metal que estava por baixo da cobertura. 

publicado por Paula às 22:35


Depois da visita da mãe Susana, foi a vez da mãe Sofia, mãe do Gonçalo, vir falar da sua profissão: professora.

Depois da sua visita, escrevemos sobre o que é ser professor.

 

   "É uma profissão um pouco difícil: os alunos nem sempre se portam bem, é preciso preparar as aulas, corrigir fichas e estar sempre actualizado.

Há diferentes tipos de professores, porque há várias disciplinas (latim, matemática, inglês, música...) e vários anos (pré-escolar, 1º ciclo, 2º ciclo, 3º ciclo, secundário e ensino superior).

    Mas é bom ensinar os outros."

publicado por Paula às 15:32

Quinta-feira, 28 de Janeiro de 2010

A mãe Susana, mãe do Mário Rui veio hoje falar à turma da sua profissão, uma vez que este é o tema que estamos a trabalhar em Estudo do Meio.

A professora lançou o convite e a Susana aceitou de imediato falar do seu dia-a-dia de polícia.

Foi uma conversa interessante e, no fim, alguns alunos ficaram com vontade de serem polícias.

Depois da visita, resumimos o que aprendemos sobre a profissão.

 

 

"Ser polícia é muito difícil.

A sua principal função é manter a nossa segurança: no trânsito, na protecção contra o crime, na ajuda a quem precisa.

Na sua profissão correm muitos perigos: agressões, acidentes e até morte.

Mas é bom ajudar os outros.

Um polícia, no seu dia-a-dia usa farda azul, chapéu, arma, cassetete e algemas.

É uma profissão importante."

publicado por Paula às 22:25


Na disciplina de Estudo do Meio estamos a trabalhar as profissões e a importância de cada uma delas.

Porque achamos que todas são importantes, resolvemos dizê-lo por escrito.

 

"Preciso do professor

Se quiser ser doutor

 

Preciso da cozinheira

Para fazer jardineira

 

Preciso do advogado

Para deixar de ser casado

 

Preciso do bombeiro

Para apagar o braseiro

 

Preciso do polícia

Para acabar com a malícia

 

Preciso do carteiro

Para trazer cartas de Aveiro

 

Preciso do motorista

Para ser um turista

 

Preciso do médico

Quando doente eu fico

 

Preciso do escritor

Para ser um bom leitor

 

Preciso do arquitecto

Para não cair o tecto

 

Preciso de toda a gente

Para ficar contente."

publicado por Paula às 22:15

Terça-feira, 26 de Janeiro de 2010

Aproveitando o poema com aquele título, do escritor Eugénio de Andrade, estivemos hoje a dar-lhe uma nova roupagem.

Aproveitámos apenas a parte inicial de cada verso e fizemos os nossos próprios poemas.

Aqui ficam alguns deles.

 

Velho, agasalhado

Chegou o Inverno

Vem daí

Vem brincar

O chão branquinho

Parece neve

 

Esqueceu as meias

Perto da sua casa

Quando nevou

Roubara-as o cão

 

Com medo do frio

Enconsta-se ao pinheiro

Dai-lhe comida

Senão hiberna

 

Velho, agasalhado

Chegou o Inverno

 

Francisca

 

 

Velho cachecol

Chegou o Inverno

Vem fazer um boneco

Vem daí

O chão branquinho

Parece papel

 

Esqueceu as botas

Perto da sua casa

Quando ouviram o ruído

Roubara-as o boneco de neve

 

Com medo de ser apanhado

Encosta-se ao muro

Dai-lhe um chá

Senão fica congelado

 

Velho cachecol

Chegou o Inverno

 

Carolina Nunes

 

 

Velho, velho

Chegou o Inverno

Vem chuvoso

Vem ventoso

O chão é branco

Parece papel

 

Esqueceu-se das luvas

Perto de casa

Quando de repente

Roubara-as um cão

 

Com medo do frio

Encosta-se na minha mão

Dai-lhe chocolate quente

Senão fica com mais frio

 

Velho, velho

Chegou o Inverno

 

Beatriz

 

 

Velho, boneco de neve

Chegou o Inverno

Vem com cachecol

Vem com gorro

O chão está frio

Parece um gelo

 

Esqueceu as luvas

Perto da casa

Quando pegou nelas

Roubara-as o cão

 

Com medo dele

Encosta-se à parede

Dai-lhe um osso

Senão ele morde

 

Velho, boneco de neve

Chegou o Inverno

 

Laura

 

 

Velho, boneco de neve

Chegou o Inverno

Vem brincar

Vem atirar bolas

O chão coberto de neve

Parece de outra cor

 

Esqueceu-se das cenouras

Perto do chapéu

Quando a chuva veio

Roubara-as o vento forte

 

Com medo das bolas

Encosta-se às meninas

Dai-lhes umas prendas

Senão elas zangam-se

 

Velho, ele é

Chegou o Inverno

 

Sofia

publicado por Paula às 23:04

Segunda-feira, 25 de Janeiro de 2010

Os Moranguitos gostaram tanto de fazer o "Poema em ás e az" que lhes propus que, individualmente, fizessem outro poema do género, desta vez terminando em ós e oz.

Aqui fica o que escreveu a Maria João.

 

 

"Os meus avós

Foram à Figueira da Foz

No seu carro veloz

 

Eu fui a Badajoz

Ver o Feiticeiro d'Oz

E comi bolo de noz

 

Nós

fomos à Foz

visitar o Queirós

e lá testei a minha voz

 

Nós gostamos de vós

vós gostais de nós

num amor ultra veloz

e todos gostamos de filhós."

publicado por Paula às 22:36

Sexta-feira, 22 de Janeiro de 2010

Continuamos nas aulas de Língua Portuguesa a trabalhar textos da escritora que dá nome à nossa sala, Luísa Ducla Soares.

Desta vez, foi o poema em is/iz.

A escrita desta autora é tão engraçada que decidimos imitá-la, escrevendo o "Poema em ás e az".

Ficou quase tão bom como o original, não acham?

 

"Era uma vez um rapaz

Chamado Tomás

Filho do Vaz

Que era capataz

Usava panamás

De cor lilás

Tinha um apetite voraz

À tarde, sentado nos sofás

Comia goraz

E depois ananás

Ficou com umas dores tão más

Que teve que beber chás

Dados pelos papás

Então, ficou capaz

De ir atrás

De um touro audaz

E...zás

Pelo rabo o touro traz

E fica tudo em paz

O Tomás foi um ás."

 

publicado por Paula às 22:24


Passadas 24 horas, fomos ver o resultado da experiência que começámos ontem.

Lembram-se que colocámos um ovo em água, outro em vinagre e um outro pintado, em vinagre também.

Eis os resultados.

 

 

O ovo colocado em água ficou igual. 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O ovo que ficou em vinagre tem a casca mole. E saltita se atirado para uma superfície.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O ovo que estava pintado ficou com

a casca mole na parte que não estava pintada.

 

 

 

 

 

 

 

Que conclusão podemos tirar?

 

 

O ácido do vinagre reage com um composto que existe na casca do ovo. A casca fica mole. Quando está pintado só fica mole na parte onde não há desenho porque a cera protege a casca.

O ovo colocado na água, dado que esta não tem ácido ficou igual.

 

 

 

publicado por Paula às 19:34

Quinta-feira, 21 de Janeiro de 2010

O dia das experiências na sala dos Moranguitos é a Sexta-feira. Contudo, uma vez que a desta semana precisava de 24 horas de repouso, começámos hoje.

Para a realizarmos usámos  três ovos, três copos, água, vinagre e lápis de cera.

Num copo pusemos água e nos dois restantes vinagre.

Pintámos um dos ovos com lápis de cera (não na totalidade).

Depois, colocamos um ovo em água, outro em vinagre e o ovo pintado também em vinagre.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Os três ovos ficaram em repouso.

Entretanto, fomos fazendo algumas previsões do que pode acontecer.

Mais uma vez há opiniões diversas:

- ovo em água- parte, fica mais claro ou cola.

- ovo pintado em vinagre- parte pintada muda de cor ou desaparece a cor.

- ovo pintado- parte, desfaz-se, muda a cor da casca ou a casca estala.

 

Amanhã, saberemos o resultado final. Certo é que já começou a haver alguma reacção. Vejam.

publicado por Paula às 22:22

Quarta-feira, 20 de Janeiro de 2010

Estivemos hoje a elaborar o nosso painel de Inverno.

Cada aluno fez um boneco de neve e, articulando áreas, em Língua Portuguesa trabalhámos também o tema, escrevendo um acróstico com as palavras "Boneco de Neve".

Com esta tarefa aproveitámos ainda para falar da caracterização física e psicológica das personagens. Por isso, a palavra boneco mostra a descrição física, o  de mostra a psicológica e a neve faz o enquadramento no espaço.

 

 

Branquinho é

Olhos azuis ele tem

Na boca um grande sorriso

E na cabeça um gorro

Cachecol ao pescoço

O nariz é uma cenoura

 

Doce e meigo

Engraçado e brincalhão

 

No meu jardim eu o fiz

E com ele brinquei

Vejam o meu boneco

E brinquem com ele também.

 

 

publicado por Paula às 19:50


Moranguitos
visitas
counter
Visitantes

Contador Grátis
pesquisar
 
Últ. comentários
aleleuia
Quero saber a introdução da experiência
Gostaria de pedir autorização para usar a vossa im...
podiam colocar mais algumas assim não dá para tira...
gosto de ler historias para meus alunos mas sempre...
lol
QUE LINDO
Como fizeram o livro????Já está há venda em públic...
Olá Moraguinhos, adorei os vossos porvérvios, me a...
muito obrigada nao copiei todos mas ainda coipiei ...
mais comentados
10 comentários
8 comentários
8 comentários
7 comentários
6 comentários
6 comentários
6 comentários
6 comentários
subscrever feeds